MOEMA - Av. Miruna, 162 - (11) 2337-7908

( Próximo à estação Eucaliptos)

LAPA - R. Cerro Corá, 1073 - (11) 2389-5503 

(Próximo à estação Vila Madalena)

CHÁC. STO. ANTÔNIO - R. Verbo Divino, 147 - (11) 2594-9700

(Próximo à estação Alto da Boa Vista)

Siga nossas redes sociais

  • Facebook Espaço da Audição
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca Ícone LinkedIn

ESTACIONAMENTO PRÓPRIO NO LOCAL

©  2019 por Espaço da Audição

Posts Em Destaque

Orelhas gigantes serão pintadas para chamar atenção para prevenção da surdez

April 29, 2019

 

Todos os dias, até o dia 24 de julho, quem for ao shopping Frei Caneca, no bairro da Consolação (centro), vai encontrar orelhas gigantes de gesso sendo pintadas por diversos artistas.

 

A ação faz parte da Ear Parade, a primeira exposição de arte urbana que chama atenção para a saúde auditiva do mundo. Idealizada pelo otorrinolaringologista e professor de medicina da USP, Ricardo Ferreira Bento, a exposição busca combater os estigmas da perda de audição por meio da arte. “A população esta ficando mais idosa e a longevidade é cada vez maior. Com isso todo mundo vai ter uma perda de audição”, disse o médico. Segundo ele, é preciso criar o debate e chamar a atenção para prevenção e tratamento da surdez, principalmente para os mais jovens.

 

São 66 esculturas de orelhas com 2,4 m de altura decoradas por 50 artistas que transformam a audição em arte e causam a curiosidade dos que passam.  “A surdez é uma doença oculta, diferente da cegueira ou das deficiências de locomoção, precisamos gerar a curiosidade e a desmistificação do assunto”, comenta Bento.

 

Aos fins de semana, alunos de fonoaudiologia da USP ficam próximos ao ateliê para conversar com os curiosos sobre os cuidados de saúde auditiva e a adaptação ao aparelho auditivo. “Existe a ideia de que os aparelhos auditivos não adiantam muito, principalmente em pessoas mais velhas, mas ele melhora muito a qualidade de vida das pessoas” disse a estudante de fonoaudiologia Paola May Risetta, de 29 anos.

 

Artista que se voluntariou para o projeto, Sônia Butture, de 68 anos, afirma: “Existe resistência em falar desse assunto”. Ela conta que já possui problemas de audição e completa: “O fato de usar o aparelho já é discriminatório, a própria pessoa se acha discriminada por usá-lo”. Depois de prontas, as obras serão expostas em diversos pontos da cidade até agosto. Após esse período, elas serão leiloadas e o dinheiro arrecadado irá para o Hospital das Clínicas doar aparelhos auditivos em implantes cocleares (que recuperam a audição) para comunidades carentes.   

 

Fonte: www.metrojornal.com.br

            Imagem: André Porto/metro

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

OMS adverte que 900 milhões de pessoas podem ter surdez até 2050

March 5, 2018

1/3
Please reload

Posts Recentes