MOEMA - Av. Miruna, 162 - (11) 2337-7908

( Próximo à estação Eucaliptos)

LAPA - R. Cerro Corá, 1073 - (11) 2389-5503 

(Próximo à estação Vila Madalena)

CHÁC. STO. ANTÔNIO - R. Verbo Divino, 147 - (11) 2594-9700

(Próximo à estação Alto da Boa Vista)

ESTACIONAMENTO PRÓPRIO NO LOCAL

Siga nossas redes sociais

  • Facebook Espaço da Audição
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca Ícone LinkedIn

©  2019 por Espaço da Audição

Posts Em Destaque

Como o Barulho Prejudica o Cérebro das Crianças

April 9, 2019

 

Nós vivemos em um mundo de ruído. Quase o tempo todo temos barulho: os carros nas ruas, as máquinas em casa, as telas na intimidade dos quartos e das camas. Nossas crianças não escapam, e afogam-se constantemente na poluição sonora das cidades, das escolas e de nossas casas. Isso produz uma destruição silenciosa da saúde das crianças e afeta várias de suas capacidades cerebrais.

 

Os números são claríssimos. Para a Associação Brasileira de Normas Técnicas, uma casa ou uma escola não podem ter ruídos acima de 50 decibéis – o equivalente ao ruído de duas pessoas conversando, ou uma biblioteca em funcionamento. Este número não é aleatório. Acima daí, começamos a sentir stress. Se o volume sobe mais um pouco, podemos ter liberação de hormônios relativos ao stress no corpo, e passamos logo a apresentar alterações na pressão sanguínea. Se o barulho for duradouro e rotineiro, perdas cognitivas importantes começam a ocorrer, na concentração e na memória, principalmente.

 

Eu sempre gostei do silêncio. Então, quando visitei uma escola montessoriana bastante ruidosa, anos atrás, fiquei preocupado e decidi medir o volume da sala. Na média, 65 decibéis. Algo entre o barulho de um escritório e o de um liquidificador.

 

Em alguns picos, a sala produzia mais ruído do que um liquidificador (acima de 75 decibéis). As crianças, é claro, apresentavam todos os sintomas de uma vida interior inquieta: não se concentravam, derrubavam coisas o tempo todo, vez por outra brigavam entre si, falavam muito alto e gritavam. As professoras, em desespero porque eram igualmente afetadas pelo stress decorrente do barulho, também estavam inquietas, ansiosas e adicionavam à poluição sonora a sua própria voz, alta e onipresente.

 

Eu também fiquei desesperado, e descobri o volume da sala porque usei um decibelímetro no celular. Então, usamos algumas estratégias para diminuir o volume da sala, sem pedir silêncio às crianças: reorganizamos os ambientes para favorecer grupos menores por toda a sala, em vez de grupos grandes em áreas concentradas; criamos núcleos de trabalho fechados, onde as crianças pudessem entrar e se concentrar sem serem incomodadas por colegas, e treinamos, entre os adultos, movimentos mais lentos, uma fala mais baixa e mais essencial, e técnicas de respiração atenta. Na manhã seguinte, a sala parecia outra, mas eu me dei seis meses antes de acreditar.

 

Seis meses depois, sem nenhuma outra alteração na escola:

 

  • O desempenho acadêmico das crianças havia aumentado consideravelmente;

  • As crianças apresentavam um humor melhor e mais tranquilidade;

  • Os conflitos haviam diminuído até quase desaparecerem da sala;

  • As professoras, antes cansadas, agora conseguiam observar e criar;

  • E, bom, os materiais não caíam mais o tempo todo.

 

Esses são os benefícios de pouco ruído, que evidenciam com transparência os malefícios do excesso de barulho.

 

Crianças que vivem ou estudam em ambientes barulhentos por anos a fio podem apresentar dificuldades no desenvolvimento da fala e da escrita, advindas de um processamento ruim daquilo que se escuta. Além disso, os batimentos cardíacos de crianças em ambientes barulhentos são significativamente mais acelerados. Nós mal percebemos quanto ruído há à nossa volta, até fazermos silêncio. Em Montessori, fazemos o Jogo do Silêncio, que consiste em parar todos os movimentos voluntários do corpo, ficar imóvel, e fazer silêncio por um período, que varia de alguns segundos a um minuto. Para adultos, podemos chegar a dois, três, quinze minutos de cada vez.

 

Quando silenciamos, descobrimos quanto ruído existe no mundo à nossa volta, e compreendemos a importância de criar nossas crianças com mais silêncio e tranquilidade.

Não é difícil fazer com que nossas casas sejam mais silenciosas. Nós ainda podemos ouvir música e ver televisão, e ainda podemos falar alto. Mas algumas coisas ajudam:

 

  • Desligar a televisão quando não estamos assistindo, nem ouvindo com atenção, e deixar de lado a televisão como companhia.

  • Ter períodos do dia sem áudios: tv, música ou qualquer tela.

  • Perceber quando nossas crianças estão concentradas, ou tentando ficar, e diminuir o volume de nossas vozes e dos ruídos ambientais.

  • Em locais muito barulhentos, janelas anti-ruído merecem ser consideradas.

  • Mudanças para vizinhanças menos afetadas podem ser consideradas, quando possível.

  • Se o problema for fora de sua casa, há legislação para proteger você. Pesquise qual o volume máximo permitido em sua cidade, e quem pode produzir tanto barulho, mesmo durante o dia. Poluição sonora é poluição. Aja como você agiria se um escapamento soltasse fumaça dentro de sua sala dia e noite.

 

Promover uma cultura do silêncio é um favor que fazemos às nossas crianças. Isso não quer dizer inibir sua expressão, mas justamente o contrário: inibir a produção excessiva de ruído precisamente para que a expressão daquilo que é importante possa sempre ter espaço para acontecer. Se nós pudermos reduzir a presença excessiva do ruído na vida de nossos filhos, iniciaremos uma revolução, uma resistência pacífica à cultura do barulho, abrindo espaço para a criação de um novo mundo, onde todos possam ouvir – e não precisem ouvir de tudo, o tempo todo.

 

Fonte: larmontessori.com

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Pedro Neschling revela usar aparelho auditivo há 4 anos: "praticamente não escuto"

October 7, 2019

1/5
Please reload

Posts Recentes