Drogas Ototóxicas – Medicamentos que causam Zumbido e Perda Auditiva


O que são Drogas Ototóxicas?
As drogas ototóxicas são aquelas capazes de lesar estruturas da orelha interna, impactando negativamente suas funções auditiva e do equilíbrio. Remédios antibióticos, para o câncer, hipertensão arterial, doenças neurológicas e mesmo alguns considerados mais inofensivos, como o AAS (Aspirina), podem causar zumbido e perda auditiva. Assim, precisamos estar atentos ao uso de medicamentos, especialmente as pessoas que já apresentando algum grau de surdez.

Risco de Perda Auditiva ou Zumbido?

O risco de ototoxicidade é variável dentre os medicamentos listados abaixo. Enquanto o risco com o uso do AAS é e torno de 1% e depende do tempo e dose usado, a chance de dano auditivo é ainda maior para outras drogas como o diurético furosemida (6%), os antibióticos aminoglicosídeos (10 a 30%) e a cisplatina (50 a 60%) usada na quimioterapia contra o câncer.

Além das particularidades de cada substância, o risco de desenvolver deficiência auditiva ou zumbido com o uso de medicamentos também depende de:

  • Dose e duração do tratamento

  • Velocidade da infusão de drogas venosas

  • Alteração da função renal

  • Uso concomitante de outras drogas potencialmente tóxicas

  • Idade

  • Perda auditiva prévia

  • Exposição prévia a radioterapia

  • Predisposição genética

Quais são os sintomas?
  • Zumbido (ou tinnitus) costuma ser o primeiro sintoma

  • Perda auditiva uni ou bilateral

  • Surdez Súbita

  • Tonteira

  • Desequilíbrio ao andar

Quando em uso de qualquer medicamento e diante do aparecimento de um ou mais dos sintomas acima, é importante investigar com o otorrinolaringologista, com a ajuda de uma audiometria e outros exames adequados para cada caso.

O que fazer?

Praticamente todos os medicamentos disponíveis podem causar efeitos colaterais. Estima-se que hajam mais de 200 medicamentos no mercado com potencial ototóxico. Os sintomas acima podem ajudar a suspeitar da ocorrência de dano ao ouvido.

Quando o uso de medicamentos potencialmente tóxicos ao ouvido é inevitável, faz-se importante o acompanhamento dos limiares auditivos através da audiometria. A audiometria de altas frequências é especialmente importante nessas situações, já que a perda auditiva de alguns medicamentos ototóxicos apresenta-se inicialmente nas frequências não testadas nas audiometrias de rotina.

Nas crianças pequenas e que ainda não falam essa vigilância tende a ser mais complicada. A incapacidade de relatar os sintomas de zumbido e perda auditiva e a maior complexidade dos exames auditivos requer cuidado e vigilância redobrados.

Em alguns casos de ototoxicidade a perda auditiva pode ser reversível, por isso a necessidade de se identificar o problema precocemente. Em outros, instala-se uma perda irreversível, podendo ser indicado o uso de aparelhos auditivos ou implantes cocleares.

Alguns Medicamentos Ototóxicos

Segundo a ASHA, mais de 200 medicamentos são conhecidos por causar problemas de audição e equilíbrio. Mas, alguns dos fármacos mais conhecidos por causar danos são: Antibióticos

Alguns dos antibióticos mais conhecidos por causar danos permanentes à audição se ingeridos em longo prazo são os aminoglicosídeos tais como: Gentamicina; Amicacina; Canamicina; Neomicina (encontrados em muitas pomadas e colírios); netilmicina, estreptomicina,tobramicina. Já a eritromicina é ototóxica quando administrada em doses intravenosas de 2-4 gramas por 24 horas, especialmente se houver insuficiência renal subjacente. A Vancomicina, similar aos aminoglicosídeos, causa perda auditiva permanente se administrada por via intravenosa.

Segundo pesquisas, a Neomicina é a droga mais tóxica para as estruturas envolvidas na audição, na cóclea, por isso, é recomendado somente seu uso tópico. Mas mesmo a terapiatópica, resultou em perda auditiva, quando grandes áreas foram tratadas, que permitiu que grande quantidade da droga fosse absorvida pelo organismo. Antiinflamatórios e Salicilatos Embora a aspirina, paracetamol e medicamentos antiinflamatórios não esteróides (AINE) sejam eficazes na redução da inflamação que causa dores, um estudo publicado na edição de Março de 2010 do The American Journal of Medicine sugere que o uso regular dessas drogas pode ser extremamente prejudicial para a sua saúde auditiva.

O estudo, conduzido por cientistas da Universidade de Harvard, Hospital Brigham and Women,da Universidade Vanderbilt e da Massachusetts Eye and Ear Infirmary, em Boston, encontrou um aumento do risco de perda auditiva em homens com menos de 60 anos que regularmente utilizado AINEs.

Se você está tomando um regimento de aspirina como prescrito pelo seu médico, pergunte a ele sobre os efeitos sobre sua saúde auditiva. Entre os antiinflamatórios não esteroides (AINEs), que podem causar perda auditiva temos: Diclofenaco (voltarem/cataflan), Etodolaco (Flancox), Fenoprofen (Nalfon), Ibuprofeno (Motrin, Advil, Nuprin), Indometacina (Indocid, Agilisin), Naproxeno (Naprosyn, Aleve), Piroxicam (Feldene, Inflamene, Floxicam). Vale lembrar que os efeitos tóxicos estão relacionados com a dose e o período de uso. Se utilizado sob prescrição médica, os problemas auditivos quando surgem são reversíveis, uma vez que as medicações são interrompidas. Diuréticos

Os médicos prescrevem diuréticos para tratar uma variedade de condições de saúde, incluindo edema, glaucoma e hipertensão. Às vezes, essas drogas causam perda auditiva temporária e zumbido, apesar dos profissionais de saúde ainda estarem tentando entender as razões.

Os diuréticos que estão na lista de ototóxicos são: Furosemida, Ácido Etacrínico, Bumetanida, Torasemida. A grande maioria destes medicamentos são mais ototóxicos quando administrado por via intravenosa, para insuficiência renal aguda, crise hipertensiva ou edema pulmonar.

Raros foram os casos de ototoxicidade foram encontrados quando estes medicamentos foram tomados por via oral, salvo em doses muito elevadas, por pessoas com doença renal crônica.

Fonte: portalotorrino.com.br


627 visualizações
ESPAÇO_DA_AUDIÇÃO_APARELHOS_AUDITIVOS.pn

11 94913 2214