MOEMA - Av. Miruna, 162 - (11) 2337-7908

( Próximo à estação Eucaliptos)

LAPA - R. Cerro Corá, 1073 - (11) 2389-5503 

(Próximo à estação Vila Madalena)

CHÁC. STO. ANTÔNIO - R. Verbo Divino, 147 - (11) 2594-9700

(Próximo à estação Alto da Boa Vista)

Siga nossas redes sociais

  • Facebook Espaço da Audição
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca Ícone LinkedIn

ESTACIONAMENTO PRÓPRIO NO LOCAL

©  2019 por Espaço da Audição

Evolução dos Aparelhos Auditivos

Da trombeta de ouvido ao aparelho auditivo moderno

 

Surdez e perda auditiva sempre existiram. Por muito tempo, se acreditou que pessoas incapazes de ouvir também possuíam outras deficiências. Um mal entendido que durou, infelizmente, até o século XVI. A sociedade discriminava, até então, pessoas com perda auditiva.

 

Um monge espanhol chamado Pedro Ponce provou, no século XVI, que não há ligação entre as capacidades auditiva e intelectual de uma pessoa. Por volta de 1530, ele ensinou Pedro e Francisco, os filhos surdos do nobre Juan Fernández de Velasco y Tovar, a ler, escrever, fazer contas e falar.

Marcos na tecnologia de comunicação

Toda história começa com Antonio Santi Giuseppe Meucci, nascido em Florença, na Itália. Considerado um dos maiores inventores italianos, ele havia testado a transmissão de voz pela corrente elétrica. Sua esposa Ester Mochi sofria de reumatismo e este fato fez com que Meucci construísse um telefone eletromagnético – que denominou telettrofono – com a finalidade de conectar seu escritório ao seu quarto, localizado no segundo andar da casa onde sua esposa ficava. Devido a problemas financeiros e de saúde, Meucci não conseguiu a patente de sua invenção e resolveu vender o protótipo do telefone.

Os primeiros aparelhos auditivos (século XVII) eram trombetas. Eles eram feitos em diversos formatos e tamanhos. Eram feitos de ferro, prata, madeira, conchas de caramujos ou chifres de animais.

Algumas pessoas não queriam admitir sua perda auditiva e tentavam escondê-la e, por isso,

alguns aparelhos era escondidos em abanadores e outros eram integrados a bengalas.

Outros eram, até mesmo, disfarçados de jóias com diamantes incrustados.

É neste momento que entra em cena Alexander Graham Bell, que comprou o protótipo do telefone e patenteou como sua invenção. Ele ensinava alunos surdos, era casado com uma mulher surda e sua mãe era surda. Assim, ele queria, originalmente, transformar as palavras faladas em sinais elétricos para torná-los visíveis às pessoas surdas. Porém, ele percebeu que a tecnologia do telettrofono também poderia ser usada para transmitir conversas por longas distâncias (telefone). Graham Bell foi considerado historicamente o inventor do primeiro aparelho que amplificou eletronicamente o som usando um microfone de carbono e uma bateria: um conceito que foi adotado pelos fabricantes de aparelhos auditivos, posteriormente.

Os primeiros aparelhos auditivos no século XX

A grande revolução do aparelho auditivo ocorreu em 1886, com Thomas Alva Edison, com a invenção do transmissor de carbono, aperfeiçoando o telefone e transformando-o em um aparelho que funcionava muito melhor, já que alterava os sons em sinais elétricos que podiam viajar através de fios e podiam ser convertidos de volta em sons. Essa tecnologia foi usada para construir os primeiros aparelhos auditivos elétricos da humanidade.

Grandes passos até o aparelho auditivo moderno

O ano de 1952 pode ser considerado um marco, pois se iniciou a era dos aparelhos auditivos de transistor. A instalação dessas simples chaves (on/off) aliada a diminuição significativa das baterias(pilhas) possibilitou aos fabricante criarem aparelhos auditivos cada vez menores e que

atendiam esteticamente os pacientes, além de economizar bateria.

 

Historicamente, os primeiros aparelhos auditivos com transistores foram projetados como aparelhos auditivos de bolso e depois para se encaixar nas armações de óculos, mais precisamente nas hastes. Posteriormente, eles foram adaptados para funcionar como prendedores de gravata, brincos até serem encaixados atrás da orelha como são hoje. 

No início da década de 1960, surgiu o modelo que está disponível até os dias de hoje: os retroauriculares (BTE). Desde então, a tecnologia dos aparelhos auditivos tem se desenvolvido rapidamente, graças aos avanços da nanotecnologia.

Os aparelhos auditivos de hoje funcionam com tecnologia digital e são equipados com potentes chips de computador. Os recursos que asseguram melhor qualidade sonora, conectividade wireless e tamanho reduzido são características das soluções auditivas modernas.

Como funciona um aparelho auditivo atualmente