Os benefícios de se ouvir bem em ambas as orelhas

 

Nossas duas orelhas agem como um tipo de estação de recepção do cérebro. Uma orelha está direcionada para a esquerda e a outra para a direita. Quando as orelhas captam o som, o cérebro calcula de que ângulo ele veio. Com apenas uma orelha funcionando adequadamente, a origem do som não pode ser determinada.

Como funciona a nossa audição

Além disso, o fator mais importante é que a qualidade do som é melhor quando se ouve dos dois lados. A fala recebida somente por uma orelha parece abafada e sem suas nuances mais ricas. Na maioria dos casos, dois aparelhos auditivos devem ser adaptados nas pessoas que possuem perda auditiva nas duas orelhas.

O OUVIDO É UM ÓRGÃO SENSORIAL MUITO COMPLEXO 

PARTES

DA 

ORELHA

CAUSAS DA PERDA AUDITIVA 

Perda Auditiva Condutiva

A perda auditiva resultante de um problema localizado na orelha externa ou na orelha média é chamada de perda auditiva condutiva. É causada por algum bloqueio que impede a passagem correta do som até a orelha interna. Exemplos: rolha de cera, infecções ou calcificação na orelha média, disfunção na tuba auditiva, perfuração do tímpano.

 

Muitos dos problemas da orelha externa e média podem ser tratados com medicamentos ou cirurgia. Nos casos em que o tratamento não é efetivo, a perda auditiva resultante geralmente pode ser tratada com o uso de aparelhos auditivos.

Perda Sensorioneural

A maioria dos problemas de audição resulta de lesões nas estruturas da orelha interna.

 

As causas mais típicas são:

 

PAIR – Perda Auditiva Induzida pelo Ruído:

 

  • Ocorre de repente ou gradualmente;

  • Principal causa de perda auditiva em pessoas com idade entre 20 e 69 anos;

  • Acomete as frequências altas devido à exposição a sons/ruídos fortes no trabalho ou em atividades de lazer.

Ototoxidade – Relacionada a medicamentos

Existem mais de 200 medicamentos ototóxicos (tóxicos para os ouvidos).

 

Essa lista inclui:

  • Ácido acetilsalicílico;

  • Certos antibióticos;

  • Alguns medicamentos contra o câncer;

  • Alguns anestésicos.

Presbiacusia – Relacionado à idade

Resultado do processo de envelhecimento.

Congênita – Relacionado à gravidez e ao nascimento

Ocorre durante a gestação ou horas/dias após o nascimento, podendo ser hereditária ou não.

As principais causas são:

  • Viroses maternas (sífilis, rubéola, sarampo);

  • Complicações durante o parto;

  • Ingestão de medicamentos ototóxicos (que lesam o nervo auditivo) durante a gravidez.

Como regra, essas lesões não podem ser revertidas, mas podem ser tratadas pelo uso de aparelhos auditivos.

O grau da perda auditiva varia de pessoa para pessoa

Entre os dois extremos de se ouvir bem e não se ouvir nada, há vários graus de comprometimento. Os termos usados para descrever os graus de perda auditiva são leve, moderado, severo e profundo. A maioria das perdas auditivas é de leve a moderada.

 

O que significam os graus de perda auditiva?

 

 

Perda auditiva leve

Incapacidade de ouvir sons fracos e dificuldade para ouvir em ambiente ruidoso.

Perda auditiva moderada

Incapacidade de ouvir sons fracos e de intensidade moderada. Dificuldade considerável em entender a fala, especialmente, na presença de ruído de fundo.

 

Perda auditiva severa

Incapacidade de ouvir a maioria dos sons. Os falantes precisam aumentar a intensidade da voz para que os ouçam. As conversas em grupo são possíveis, mas somente com considerável esforço.

Perda auditiva profunda

Alguns sons muito intensos são audíveis, mas a comunicação sem aparelhos auditivos ou linguagem de sinais é muito difícil.

O impacto da perda auditiva no entendimento da fala

A perda auditiva na orelha interna (sensorioneural) inicialmente afeta sons de frequências altas. Esses sons agudos, como ‘s’, ‘f’, ‘ch’, e ‘t’, têm papel essencial no entendimento da fala.

Esta é a razão pela qual muitas pessoas sempre dizem: “Posso ouvir, mas não entendo o que está sendo dito”.

A perda auditiva reduz de forma drástica a capacidade de se entender a fala. As sentenças abaixo simulam a piora na compreensão de alguém com essa dificuldade:

 

 

 

 

 

EFEITOS DA

PERDA AUDITIVA

A perda auditiva pode agravar ou, até mesmo, causar outros problemas de saúde:

O teste da Audição

Esse teste mede a extensão da perda auditiva por frequência. Como a perda pode ser diferente em cada uma das orelhas, estas são testadas separadamente com os fones. Tanto a percepção dos sons como o entendimento da fala são avaliados.

 

Faixa de fala

 

A fala consiste em vogais e consoantes em diferentes frequências e intensidades. Uma orelha saudável registra todos esses sons, porém, quando há uma perda auditiva, é preciso maior intensidade para ouvi-los. Dependendo do grau e da progressão dessa perda, esses elementos da fala ficam mais fracos e deixam de ser audíveis, pelo menos quando falados em intensidade natural.

AUDIOGRAMA DE SONS FAMILIARES

No gráfico “Audiograma de sons familiares”, estão representados os sons da fala (na área cinza) e alguns sons do nosso cotidiano.

 

Na vertical, temos a escala de intensidade e os graus de perda auditiva (nível de audição).

 

Na horizontal, temos as frequências da amplitude do som, desde graves (125Hz) a agudas (8000Hz).

 

Analisando essas informações, o profissional tem  uma ideia do que uma pessoa  consegue ou não ouvir.

VEJA COMO É FEITO O AUDIOGRAMA

ESPAÇO_DA_AUDIÇÃO_APARELHOS_AUDITIVOS.pn

11 94913 2214